> <

Chevrolet Malibu: primeiras impressões

Modelo ganha nova geração e pode voltar ao Brasil em 2017.
Econômico e equipado, tem mais chances de sucesso que antecessor.

27/01/2016 06h00 - Atualizado em 27/01/2016 08h10

Chevrolet Malibu: primeiras impressões

Modelo ganha nova geração e pode voltar ao Brasil em 2017.
Econômico e equipado, tem mais chances de sucesso que antecessor.

 

André PaixãoDo G1, em Detroit (EUA) - O jornalista viajou a convite da GM

 
 
 
 
 

Qual é a definição de sedã médio para o brasileiro? CorollaCivicFocus, certo? Para os americanos, porém, esses modelos são considerados pequenos. O Chevrolet Malibu é um modelo médio para o americano e grande para o Brasil. Em Detroit, o G1 experimentou a nova geração do modelo, que acaba de chegar às lojas daquele país e pode desembarcar no Brasil em 2017 - mas tudo depende da relação dólar x real.

Longe do líder
Nas vendas, a geração que se despede das lojas não deixará saudades. Em 2015, o Malibu foi apenas o sexto sedã médio mais emplacado nos EUA. Mesmo assim, o acumulado de 194.854 unidades ainda o coloca acima do veículo mais vendido do Brasil no período, o Onix, com 125 mil unidades.

À frente dele, aparecem, na ordem decrescente, Hyundai Sonata, Ford Fusion, Nissan Altima, Honda Accord, e o líder da categoria, Toyota Camry, que emplacou 429 mil unidades, mais que o dobro do Chevrolet.

Mas o nome Malibu continua popular: ele foi o veículo mais buscado no Google, nos Estados Unidos, em 2015.

Tabela de concorrentes do Chevrolet Malibu (Foto: André Paixão/G1)

Um caminhão de mudanças
Para tentar converter a curiosidade do público em vendas, a General Motors, dona da Chevrolet, mexeu pesado no sedã. Se o conjunto do Malibu que era vendido no Brasil nunca foi digno de arrancar suspiros do comprador de sedãs (motor 2.4 de 171 cavalos), a nova geração mudou bastante – ela quase não se parece com um típico modelo americano.

Logo de cara, o visual do carro é completamente diferente. As linhas com pouca inspiração deram lugar a um desenho mais harmônico e expressivo – que inclusive inspirou a reestilização do Cobalt no Brasil. Os faróis são mais finos, a grade é maior e mais pronunciada, e há mais vincos.

Segundo a GM, uma "dieta" fez com que o Malibu perdesse 136 kg. Mas isso não veio com prejuízo em espaço. Pelo contrário. O carro ficou 5,8 centímetros mais comprido e com 9,1 cm a mais de distância entre eixos, chegando a 4,92 m e 2,83 m, respectivamente. O espaço para as pernas no banco traseiro ainda aumentou 3,3 cm, de acordo com a montadora.

Sétima e nona geração do Chevrolet Malibu (Foto: Divulgação)Sétima e nona geração do Chevrolet Malibu (Foto: Divulgação)

Conectado, mas acabamento fica devendo
Também houve uma boa melhoria no pacote de equipamentos. Todas as versões são equipadas com 10 airbags, piloto automático, acesso e partida sem a necessidade de chaves em mãos, assistente pessoal OnStar gratuito por 6 meses, comandos de áudio no volante, controles de tração e estabilidade, assistente de partida em rampas, direção elétrica e ar-condicionado.

A versão mais simples, L, porém, é despojada até para um sedã médio brasileiro. Ela vem com calotas, rádio simples e bancos de tecido. Por outro lado, a Premier é recheada de itens de série. Ela traz ar-condicionado de duas zonas (controles separados para motorista e passageiro), sistema de conectividade MyLink com tela de 8 polegadas, modem 4G com Wi-fi para os passageiros, som da grife Bose e bancos de couro com ajustes elétricos e aquecimento.

O Malibu só fica devendo um acabamento mais caprichado. Longe de ter rebarbas ou peças mal encaixadas, os plásticos da cabine poderiam ter qualidade ligeiramente melhor. É equivalente, por exemplo, ao da nova geração do Honda Civic, que custa bem menos.

A configuração mais cara ainda conta com couro e alguns acabamentos cromados. O visual é moderno e agrada, e todos os comados são fáceis de acessar. Moderna, a central multimídia desta versão é compatível com os sistemas Apple CarPlay e Android Auto, do Google, que transferem para a tela do carro o ambiente dos iPhones e smartphones com sistema Android.

Interior do Chevroelt Malibu (Foto: Divulgação)Interior do Chevroelt Malibu (Foto: Divulgação)

Nem parece americano
Imaginando sedãs tipicamente americanos, com grandes motores, nem sempre eficientes em consumo, e donos de suspensões tão macias que é impossível derrubar um copo cheio de café no banco, o Malibu nem parece ter essa cidadania.

Não adianta procurar na ficha técnica motores com mais de 4 cilindros ou 2 litros de deslocamento. Das 3 opções disponíveis, a maior é um 2.0 turbo, com 253 cv e 35,7 kgfm de torque. Há também um inédito 1.5 turbo, de 165 cv e 25,5 kgfm, e um conjunto híbrido, composto de motor 1.8 e outro elétrico, com potência combinada de 185 cv e 38,2 kgfm.

Para quem espera um modelo de comportamento “sem graça”, o Malibu surpreende. Nada de direção anestesiada e suspensão macia. No trajeto de 30 km ao volante, o sedã mostrou que ainda esbanja conforto, mas está mais rígido.

Como as condições do teste eram adversas, com neve e pouca aderência, a velocidade raramente ultrapassou os 50 km/h no primeiro trecho, o que não permite fazer maiores afirmações sobre o motor. A transmissão automática de 8 marchas trabalha de forma quase imperceptível e faz as trocas discretamente.

Com a condição da pista melhorando durante os demais 70 km do percurso (em que outros dois jornalistas se revezaram ao volante), foi possível atingir 100 km/h. Ao fim, o computador de bordo registrou consumo médio de 29 milhas por galão, o equivalente a 12,3 km/l. A GM divulga consumo de 9,4 km/l para ciclo urbano e 14 km/l para rodoviário.

Chevrolet Malibu 2016 (Foto: Divulgação)Chevrolet Malibu 2016 (Foto: Divulgação)

Vem para o Brasil?
A GM não esconde o desejo de vender novamente o Malibu no Brasil. Quando a sétima geração foi oferecida por aqui, entre 2010 e 2012, ela não tinha volumes expressivos – foram vendidas 2,9 mil unidades no período, de acordo com a montadora. Como comparação, apenas em 2010, o Ford Fusion registrou 10.918.

Da geração anterior foram trazidas algumas unidades, mas ela nunca chegou a ser comercializada – o preço seria inviável. Agora, quando o veículo tem a melhor geração em muitos anos e consegue fazer frente aos rivais, o problema é o dólar.

“Com o dólar a R$ 4, é inviável importar”, diz Marcos Munhoz, vice-presidente da GM no Brasil. Mesmo assim, o executivo confirma que serão importadas unidades para o processo de homologação.

Se a decisão de venda sair, o novo Malibu chega no começo de 2017, em duas versões, 2.0 e híbrida. Elas devem ser baseadas nos catálogos mais caros e completos dos EUA – LT2, que aqui deve se chamar LTZ, e Premier.

Concorrentes
O mercado de sedãs grandes no Brasil tem concorrentes tradicionais e muda pouco. Ford Fusion, Toyota Camry, Honda Accord, Hyundai Azera e Volkswagen Passat e Nissan Altima são os principais competidores.

Do grupo, o único que não conta com o imposto de importação é o Fusion. Vindo do México, país que possui acordo com o Brasil, o Ford é de longe o mais barato. Ele parte de R$ 108,4 mil, com motor 2.5 flex, e de R$ 123,4 mil, na opção com motor 2.0 turbo de 240 cv. Vale lembrar que o Ford muda no meio do ano – ele teve a reestilização mostrada no Salão de Detroit.

Dos demais, o mais em conta é o Azera, que sai por R$ 139.990. Porém, é o mais antigo entre os concorrentes. O mais caro, Camry, de R$ 180.370, também não é o mais moderno.

Os dois mais recentes são Passat (a partir de R$ 147.390), cuja nova geração acaba de chegoar ao país, e Accord (R$ 156,3 mil), que passou por uma reestilização.

Chevrolet Malibu 2016 (Foto: Divulgação)Chevrolet Malibu 2016 (Foto: Divulgação)

Conclusão
A nova geração do Malibu é a melhor chance da GM entre os sedãs grandes no Brasil em muito tempo. O sedã ganhou muito em visual, além de ter ficado mais eficiente, potente, espaçoso e econômico.

A questão crucial para o sucesso do Malibu por aqui é o preço. É aí que a produção nos EUA joga contra, já que o país não possui acordo comercial com o Brasil, e os produtos vindos de lá pagam imposto de importação.

A grande briga do Malibu, caso ele venha, deve ser pelo segundo lugar do segmento, já que a liderança incontestável tem sido do Fusion, com a vantagem do preço.

Ainda que não venha para ser o líder da categoria, o novo sedã tem importância para a GM voltar a um segmento que já foi marcado por grandes nomes, como Opala e Omega. Se vier, quem sabe, em alguns anos, o nome Malibu não seja considerado um clássico da marca da gravata.

 

Chevrolet Malibu 2016 (Foto: Divulgação)Chevrolet Malibu 2016 (Foto: Divulgação)
 
 
http://g1.globo.com/carros/noticia/2016/01/chevrolet-malibu-primeiras-impressoes.html

Galeria

Nenhum comentário foi encontrado. Seja o primeiro a comentar!

Deixe seu Comentário


Tipos de Pastilhas do Mercado
Tipos de Pastilhas do Mercado
20 de maio de 2022

Tipos de pastilhas do mercadoPara ser um bom especialista no mercado automotivo, seja um vendedor ou mecânico, não basta apenas entender o que é determinada peça! Para prover um bom serviço para…

leia mais...
4 dicas para ter uma boa saúde financeira de seu negócio

A gestão da saúde financeira de um negócio é uma das coisas mais importantes para o seu progresso. Porém, a maioria das pessoas que possuem seu próprio negócio não entendem a importância de manter…

leia mais...
Importância do conhecimento técnico do produto

O mundo está cada vez mais tecnológico e no mundo automotivo isso não é diferente. Cada vez mais a tecnologia avançada está presente nos automóveis e isso exige do profissional de vendas amplos…

leia mais...
Lançamento Advance: Fluido para Radiadores

A Barros Autopeças leva muito a sério a inovação e crescimento de sua marca própria. O intuito de avançar sempre com seus clientes e trazer qualidade e competitividade para…

leia mais...
Comentários Recentes

Trabalhe Conosco

Com o seu talento e competência
como combustíveis, você vai ajudar
a guiar uma empresa sólida e
ambiente de trabalho profissional.
Faça parte da nossa equipe.

Eu quero

Quero ser Cliente

Venha ser um cliente Barros Autopeças
e ter a disposição um dos portfólios
de peças mais completos do país,
promoções exclusivas e uma equipe
pronta à ajudá-lo no que for preciso.

Eu quero
scroll up