> <

Diferença de rotação entre motores com mesmo número de cilindros

A rotação de um motor chama atenção de alguns quando é comparada entre motores de mesmo número de cilindros, mas com giros bem diferentes, tal como um carro quatro cilindros em comparação com uma motocicleta de propulsor com a mesma quantidade de pistões.

As diferenças, no entanto, não estão relacionadas com o número de cilindros, mas com as massas alternativas e rotativas, que compõem o tamanho do propulsor, assim como relação entre diâmetro e curso dos pistões, atrito de peças e componentes internos, gerenciamento da mistura de admissão e escape dos gases e do sistema de alimentação.

O projeto dos motores é fundamental para se determinar até aonde eles vão. Um V8 de F-Indy, por exemplo, atinge em média 10.000 rpm. Um V8 usado antigamente na F-1, por exemplo, atingia 18.000 rpm. Em motos, a rotação tende sempre a ser maior por conta do menor torque exigido.

Muitos propulsores de quatro cilindros desse segmento têm rotações bem acima de 10.000 rpm, por exemplo. Como a cilindrada é baixa, não há necessidade de um torque elevado, por isso as rotações são bem altas. Em motores a combustão, a potência é o torque multiplicado pela rotação do motor. Assim, o giro precisa ser elevado para se obter uma potência adequada.

Caso interessante é a comparação entre as motos Honda CB500X e NC750X. Ambas com dois cilindros, a primeira tem rotações de 8.500 rpm e 7.000 rpm para potência e torque máximos, enquanto a segunda – que prioriza a força em baixas rotações – funciona praticamente como um automóvel tendo assim 6.250 rpm e 4.750 rpm, respectivamente. Mas a rotação mais elevada em motos do que em automóveis não é uma regra.

A gigantesca Honda GL1800 Goldwing tem seis cilindros e faz o mesmo com 5.500 e 4.000 rpm, respectivamente. Para efeito comparativo do número de cilindros, o Accord V6 precisa de 6.200 e 4.900 rpm para obter potência e torque máximos. Ou seja, a motocicleta estradeira tem propulsor com quase metade do volume (cm3) do sedã de luxo e funciona em rotações mais baixas.

Fonte: Revista Quatro Rodas

Galeria

Nenhum comentário foi encontrado. Seja o primeiro a comentar!

Deixe seu Comentário


Saiba mais sobre o portfólio e a marca própria da Barros Autopeças

A história da Barros Autopeças começou em 1956 num pequeno posto de gasolina com a venda de combustível e lubrificantes. Mais tarde em 1970 iniciou uma nova etapa para a empresa. Com o crescimento…

leia mais...
A Curva ABC e sua importância
A Curva ABC e sua importância
29 de março de 2021

Você com certeza já deve ter ouvido falar na Curva ABC, ela é muito utilizada com a finalidade de gerenciar as prioridades de uma empresa, ou seja, funciona como um método de classificação que permite…

leia mais...
Mulheres à Frente das Oficinas e da Indústria Aftermarket de Peças

A matéria a seguir é uma reprodução do site Canal da Peça que sofreu algumas mudanças, o link original você encontra no final do texto.Reparadoras, gerentes e diretoras, as mulheres possuem garra,…

leia mais...
KPI entenda mais sobre essa ferramenta de gestão

O KPI (Key Performance Indicator) é um indicador que pode auxiliar a empresa a ter sucesso. A ferramenta permite um acompanhamento do desempenho de pontos importantes para o negócio, departamento ou…

leia mais...
Comentários Recentes

Trabalhe Conosco

Com o seu talento e competência
como combustíveis, você vai ajudar
a guiar uma empresa sólida e
ambiente de trabalho profissional.
Faça parte da nossa equipe.

Eu quero

Quero ser Cliente

Venha ser um cliente Barros Autopeças
e ter a disposição um dos portfólios
de peças mais completos do país,
promoções exclusivas e uma equipe
pronta à ajudá-lo no que for preciso.

Eu quero
scroll up