> <

Governo teria recebido propina de lobby para favorecer montadoras em 2009

Em 2009, o governo teria sido influenciado através de propina oferecida por lobistas para favorecer as montadoras, de acordo com documentos obtidos pelo jornal O Estado de São Paulo.

Na época do governo Lula, em torno de R$ 36 milhões teriam sido oferecidos aos agentes públicos para favorecer a aprovação de uma medida provisória que prorrogaria os incentivos fiscais para as montadoras, que no caso era a redução do IPI para automóveis e comerciais leves.

A renúncia fiscal seria de R$ 1,3 bilhão ao ano. Um valor de R$ 2,4 milhões teria sido repassado para um dos filhos do ex-presidente Lula, o empresário Luís Cláudio Lula da Silva, em 2011. Nesse ano, a MP entrou em vigor.

De acordo com os documentos, as empresas MMC e CAOA teriam pago honorários a um consórcio formado por dois escritórios de consultoria, a fim de que estes conseguissem a manutenção dos benefícios fiscais por pelo menos cinco anos.

Os contratos datam de 11 a 19 de novembro de 2009, sendo que no dia 20, o então presidente Lula, assina a MP, que prorroga o desconto de IPI para carros feitos nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Em 2010, a MP471 foi aprovada no Congresso. Mensagens de texto comprovariam o repasse de R$ 4 milhões para pessoas ligadas ao PT.

Um e-mail enviado por um dos envolvidos, pede que Eduardo Souza Ramos, sócio-fundador da MMC, interceda junto à CAOA para que esta retome os pagamentos. A representante da Hyundai teria aceitado participar do esquema, mas recuou na hora de fazer os pagamentos.

O remetente ameaçou expor detalhes envolvendo a tratativa entre as duas empresas e pessoas ligadas ao governo e exigiu US$ 1,5 milhão até certa data. Em caso de recusa, gravações das conversas seriam então divulgadas e o caso investigado. Os escritórios afirmam que trabalharam para que a MP471 fosse aprovada, mas sem propina ou lobby.

Um dos escritórios pertencem à Mauro Marcondes Machado, que é vice-presidente da Anfavea. As duas empresas estão sendo investigadas no caso de esquema de corrupção do Carf. O outro escritório é de propriedade de José Ricardo da Silva, parceiro do lobista Alexandre Paes dos Santos, que por sua vez é ligado a Erenice Guerra, secretária da Casa Civil do governo Dilma na época da aprovação da MP. MMC e CAOA confirmam contratos com uma das consultorias, mas não com o objetivo de “comprar” a MP.

Fonte: Estadão

 

Galeria

Nenhum comentário foi encontrado. Seja o primeiro a comentar!

Deixe seu Comentário


Saiba mais sobre o portfólio e a marca própria da Barros Autopeças

A história da Barros Autopeças começou em 1956 num pequeno posto de gasolina com a venda de combustível e lubrificantes. Mais tarde em 1970 iniciou uma nova etapa para a empresa. Com o crescimento…

leia mais...
A Curva ABC e sua importância
A Curva ABC e sua importância
29 de março de 2021

Você com certeza já deve ter ouvido falar na Curva ABC, ela é muito utilizada com a finalidade de gerenciar as prioridades de uma empresa, ou seja, funciona como um método de classificação que permite…

leia mais...
Mulheres à Frente das Oficinas e da Indústria Aftermarket de Peças

A matéria a seguir é uma reprodução do site Canal da Peça que sofreu algumas mudanças, o link original você encontra no final do texto.Reparadoras, gerentes e diretoras, as mulheres possuem garra,…

leia mais...
KPI entenda mais sobre essa ferramenta de gestão

O KPI (Key Performance Indicator) é um indicador que pode auxiliar a empresa a ter sucesso. A ferramenta permite um acompanhamento do desempenho de pontos importantes para o negócio, departamento ou…

leia mais...
Comentários Recentes

Trabalhe Conosco

Com o seu talento e competência
como combustíveis, você vai ajudar
a guiar uma empresa sólida e
ambiente de trabalho profissional.
Faça parte da nossa equipe.

Eu quero

Quero ser Cliente

Venha ser um cliente Barros Autopeças
e ter a disposição um dos portfólios
de peças mais completos do país,
promoções exclusivas e uma equipe
pronta à ajudá-lo no que for preciso.

Eu quero
scroll up