> <

O futuro é o carro sem motorista?

13/11/2015 09h31 - Atualizado em 13/11/2015 11h23

O futuro é o carro sem motorista?
Grandes empresas investem alto em veículos que dirigem sozinhos.
G1 leva consumidores para testar e diz o que falta para ser realidade.

Peter Fussy e Luciana de OliveiraDo G1, em São Paulo

13/11/2015 09h31 - Atualizado em 13/11/2015 11h23

O futuro é o carro sem motorista?
Grandes empresas investem alto em veículos que dirigem sozinhos.
G1 leva consumidores para testar e diz o que falta para ser realidade.

Peter Fussy e Luciana de OliveiraDo G1, em São Paulo

FACEBOOK

"No começo, foi estranho. Não consegui me desligar e tive vontade de pegar no volante", afirmou o universitário Gustavo Maturano, de 20 anos, após a primeira volta em um veículo que dispensa motorista, o chamado carro autônomo.

A convite do G1, ele e a dona de casa Augusta Heringer, de 45 anos, tiveram a chance rara até agora para um consumidor comum: se sentaram no banco do condutor, mas foram apenas levados pelo carro, vendo o volante se mexer sozinho (assista no vídeo acima).

"Teria um pelo fato de fazer outras coisas enquanto o carro dirige. Dá até para ir para balada, beber e voltar para casa com o carro, sem problemas", opina o estudante.

Diferente do recém-habilitado Gustavo, Augusta não achava dirigir uma experiência prazerosa: ela precisou de aulas especiais para superar o medo.

Porém, dentro de um veículo que a deixava apenas contemplar as ruas, resumiu: "Se tivesse para comprar, eu teria um agora. É o carro dos sonhos de qualquer pessoa que tem medo de dirigir".

A experiência aconteceu em São Carlos (SP), onde a Universidade de São Paulo desenvolve um projeto de carro autônomo. Há outros no país, mas os que são notícia cada vez mais frequentemente são os de grandes empresas, como montadoras e o Google.

Apesar de toda essa propaganda dar a entender que o motorista vai ser dispensável amanhã mesmo, isso ainda está longe de acontecer, para decepção de Augusta. A tecnologia tem evoluído rapidamente, mas há muitos obstáculos para colocá-la em prática. O G1 reúne, nesta reportagem especial, o que já existe nas ruas e o que se pode antever do futuro do carro.

Já pensou um dia em acordar, entrar no carro, dar bom dia ao "motorista" virtual e, em vez de se preocupar com trânsito, semáforos, "fechadas" e outros perigos e estresses, poder se dedicar ao smartphone sem culpa, dar um conchilo ou ver o capítulo de ontem da novela?

Esse tipo de imagem é muito usado pelas montadoras para explicar a serventia do carro autônomo: poupar o tempo e a energia do ocupante para outras coisas, que não o trânsito. Mais que isso: dar independência a quem atualmente não tem condição de dirigir ou depende de veículos adaptados. Ou tem medo, como Augusta.

Por outro lado, o carro autônomo marcaria o fim da relação apaixonada do universitário Gustavo com o volante? As dúvidas são muitas, mas a autonomia dos carros, em maior ou menor grau, é irreversível, segundo analistas e executivos de montadoras.

Aliás, ela já existe, parcialmente, nos carros que estão à venda (veja lista ao fim da reportagem). Essas tecnologias chegam primeiro aos modelos de luxo e depois avançam para faixas de preço inferiores . A frenagem automática e o assistente de estacionamento, por exemplo, atualmente são oferecidas em carros na faixa de R$ 100 mil no Brasil.

Os primeiros protótipos de carros que dirigem sozinhos apareceram na década de 1980. Naquela época, Hollywood fez espectadores acreditarem que existiriam skates voadores em 2015 (ano em que se passa "De volta para o futuro 2") e carros congestionando os céus em 2019 ("Blade Runner").

Mas o concreto é que desde os anos 1970 surgiram sistemas que atuam sem ação do condutor, como piloto automático (ou controle de cruzeiro, cuja função é manter uma velocidade pré-determinada pelo motorista), controle de estabilidade ou freios automáticos de emergência.

Mais recentemente, eles passaram a atuar em conjunto, aumentando a "intervenção" do computador na experiência de dirigir. Já são vendidos carros que dirigem sozinho por trechos, em baixas velocidades, mas o motorista precisa ficar com as mãos encostadas no volante.

Empresas como o Google já testam o carro 100% autônomo nas ruas dos Estados Unidos, mas não sem um motorista "a postos", para tomar o controle em casos de emergência: esta é uma exigência dos poucos países ou estados que liberaram testes nas vias públicas. A velocidade também é limitada.

A autonomia, já aplicada em trens de metrô, por exemplo, avança também em outros tipos de veículos. A Mercedes-Benz testa umcaminhão. E a Yamaha prepara, em circuito fechado, a moto-robô.

Algumas montadoras divulgam prazo para tornar o carro 100% autônomo uma realidade. A suecaVolvo, uma das pioneiras, pretende testar 100 veículos desse tipo com consumidores comuns nas ruas daqui a 2 anos. E chegar à meta de zero mortes em seus veículos até 2020, ano "mágico" já citado por Honda, Toyota, BMW e Nissan como aquele em que os carros que dirigem sozinhos devem aparecer nas lojas.

A consultoria Ernst & Young projeta que esse tipo de veículo só deve estar presente com alguma relevância nas cidades em 2025, quando deve representar 4% do total vendido no mundo. E que o avanço será rápido, chegando a 75% do total em 2035.

Ainda há uma série de desafios a serem vencidos (veja abaixo), desde legislação à necessidade de infraestrutura que permita que as cidades se comuniquem com os carros.

Uma faixa mal pintada já é um problema para o veículo que precisa "ler" a via. Mas a necessidade vai além da tinta: será necessário que o sistema de trânsito se conecte com o carro. Assim, se o sinal está para fechar, o veículo vai saber e diminuir a velocidade automaticamente. Se há um buraco na pista não precisa mais colocar um cone: o carro vai saber antes mesmo de chegar perto. Sem isso, ele será como um cego que vai tateando o espaço por meio de sensores, sem saber o que vem pela frente.

A estrutura será um dos entraves que farão com que os carros autônomos demorem mais para chegar ao Brasil . “Os desafios (no país) são a infraestrutura e o desenvolvimento das estradas, então (aqui) deve demorar cerca de uma década a mais do que nos países desenvolvidos”, aposta Randall Miller, líder global da EY.

"Essas tecnologias estão cada vez mais dependentes da infraestrutura e é preciso uma cobertura de dados móveis. Existem lugares no Brasil em que você não fala direito nem com voz. Pode ser outro fator de atraso”, completa o engenheiro Ricardo Takahira, da SAE Brasil.

Confira a matéria completa em: http://g1.globo.com/carros/noticia/2015/11/o-futuro-e-o-carro-sem-motorista.html

Galeria

Nenhum comentário foi encontrado. Seja o primeiro a comentar!

Deixe seu Comentário


Novembro Azul - Prevenir-se é não ter medo

Assim como o mês de outubro é marcado pela cor rosa e coloca em pauta a prevenção ao câncer de mama, novembro é marcado pela cor azul e tem como foco o combate, conscientização e prevenção ao…

leia mais...
Junta Homocinética: Tudo o que você precisa saber para fazer a troca de maneira  correta

Quem está envolvido com o universo automotivo sabe que a invenção da junta homocinética foi uma enorme revolução para o mercado. A peça foi também uma das responsáveis pela popularização da…

leia mais...
Barros Autopeças realiza primeiro Arraiá para clientes

No dia 04 de agosto, a Barros Autopeças (filial Mogi Mirim) realizou seu primeiro Arraiá para clientes. A festa é uma adaptação, do tradicional Arraiá da Lauto que, por sua vez, está na 4° edição.…

leia mais...
Uma Páscoa para ser lembrada: Barros Autopeças faz a diferença para pessoas carentes

A Páscoa pode ser considerada o feriado favorito dos chocólatras, mas além de ser uma excelente desculpa para fugir da dieta, também pode ser utilizada para praticar a solidariedade. Na última semana,…

leia mais...
Comentários Recentes

Trabalhe Conosco

Com o seu talento e competência
como combustíveis, você vai ajudar
a guiar uma empresa sólida e
ambiente de trabalho profissional.
Faça parte da nossa equipe.

Eu quero

Quero ser Cliente

Venha ser um cliente Barros Autopeças
e ter a disposição um dos portfólios
de peças mais completos do país,
promoções exclusivas e uma equipe
pronta à ajudá-lo no que for preciso.

Eu quero
scroll up