> <

Os maus costumes dos proprietários de carros

Muitos proprietários de automóveis têm maus costumes no que se refere ao dia a dia com o veículo ou mesmo com sua manutenção. Tais hábitos acabam por reduzir a vida útil do carro e aumentar a frequência de visitas ao mecânico.

 

Confira 12 maus costumes de parte dos motoristas que prejudicam o automóvel:

 

1) Até a boca – Um dos maus hábitos de grande parte dos motoristas é deixar ou mandar o frentista abastecer até a boca. Isso significa que haverá mais combustível que a capacidade do reservatório e este pode vazar pelo bocal, manchando a pintura e aumentando o risco de incêndio. Além disso, pode alterar a pressão do tanque e danificar a bomba de combustível. O correto é encher até o disparo da bomba.

2) Reserva – Da mesma forma que muitos querem colocar mais do que o tanque suporta, outros tem o mau hábito de sempre andar com o tanque na reserva. Com o baixo nível, o pescador da bomba acaba sugando impurezas e resíduos do fundo do tanque, podendo entupir o filtro de combustível. Além disso, há risco de superaquecimento da bomba, pois a mesma mantém sua temperatura quando imersa no combustível.

3) Querosene na lataria – Para tirar manchas de asfalto ou graxa, o querosene diluído é uma boa dica. No entanto, passar o produto na pintura em busca do brilho original, vai acabar mesmo é com a camada protetora da tinta, envelhecendo o automóvel. Ela também resseca as borrachas de vedação.

4) Óleo embaixo – Outro produto que não deve ser usado em automóvel é o óleo lubrificante (geralmente usado) para revestir a parte inferior do veículo. Ele não ajuda em nada e ainda por cima, resseca coxins e borrachas de vedação, bem como gruda com amis facilidade a sujeira das vias, especialmente areia.

5) Motor limpo – Uma prática que pode dar um prejuízo enorme para o proprietário, especialmente carros mais atuais, é a lavagem do motor com jato de água. O correto é usar um pano úmido para a limpeza geral, pois a água pode danificar a ECU e outros componentes eletrônicos, que são bem caros de concertar.

6) Deixando o pé na embreagem – Esse é um mau hábito de muitos motoristas. Deixar o pé no pedal de embreagem, mesmo que de forma despercebida, pode desgastar prematuramente platô e disco. O mesmo serve para manter o carro em aclives usando somente o dispositivo.

7) Mão no câmbio – Se o pé não sai da embreagem, a mão de muita gente fica descansando sobre a alavanca de câmbio durante a condução, ao invés de estar no volante. Isso reduz a vida útil da transmissão, pois vai gerar folga nas engrenagens ao longo do tempo.

8) Ré antes de parar – Os câmbios automáticos mais modernos possuem uma proteção contra o engate da ré com o veículo ainda em movimento, mas no caso dos manuais, alguns não esperam o carro parar e já engatam a ré. Isso provoca um ruído muito ruim e prejudica as engrenagens que, com o tempo, farão a transmissão deixar de engatar marchas.

9) Última pisada antes de desligar – Um costume muito ruim contra a saúde do motor é dar uma acelerada antes de desligar o veículo. Isso porque o excesso de combustível não queimado, gerado pelo pico de aceleração e desativação do propulsor, acabará com o catalisador muito antes do fim de sua vida útil, pois o combustível vai corroer a cerâmica do dispositivo.

10) Saindo em segunda – A primeira marcha existe para ser usada, mas há quem prefira sair na segunda. Isso significa um esforço maior e desnecessário da embreagem, reduzindo sua vida útil e naturalmente aumentando os custos.

11) Pneu na calçada – Uma prática que pode danificar muitos componentes vitais de um automóvel é encostar intencionalmente a roda nas guias da calçada. O objetivo é dificultar os roubos, mas o prejuízo mesmo será nos terminais de direção, suspensão e no próprio pneu.

12) Passando de lado – O carro está cheio e o medo de raspar o fundo em valetas e lombadas é enorme. Assim, muitos condutores decidem evitar esse incômodo e passam com uma roda de cada vez no redutor de velocidade. O resultado é que, mesmo que evite a chata raspada, o monobloco apresentará trincas com o tempo.

Fonte: Revista Quatro Rodas

 

Galeria

Nenhum comentário foi encontrado. Seja o primeiro a comentar!

Deixe seu Comentário


A Importância da Análise de Crédito

A análise de crédito possui uma grande importância para constatar se o cliente realmente tem condições de honrar com o compromisso de empréstimo assumido, verificando informações do cliente a…

leia mais...
Pesquisa de Opinião de Entregas da Barros Autopeças

No mês de Outubro, perguntamos a opinião dos nossos clientes em relação aos nossos serviços e atendimentos em nossa área de logística, para sabermos como nosso trabalho é visto por eles. Ficamos…

leia mais...
Kit amortecedor: o que você precisa saber para vender essa peça?

Dominar todas as informações técnicas sobre autopeças é o maior desafio e a maior vantagem de um vendedor do segmento. Enquanto são diversos os modelos e as marcas de veículos que você precisa…

leia mais...
Rastreamento Inteligente - solução eficiente para os clientes da Barros Autopeças

Nosso colaborador, Lucas Vanin, da área de Transportes, pensou numa solução para os clientes da Barros, em relação ao rastreio dos pedidos. Como muitos procuram o departamento de Transportes para…

leia mais...
Comentários Recentes

Trabalhe Conosco

Com o seu talento e competência
como combustíveis, você vai ajudar
a guiar uma empresa sólida e
ambiente de trabalho profissional.
Faça parte da nossa equipe.

Eu quero

Quero ser Cliente

Venha ser um cliente Barros Autopeças
e ter a disposição um dos portfólios
de peças mais completos do país,
promoções exclusivas e uma equipe
pronta à ajudá-lo no que for preciso.

Eu quero
scroll up