> <

Teste CARPLACE: novo Hyundai HB20 melhora, mas ainda não bate o Fiesta

A meta do Hyundai HB20 era clara quando ele foi lançado em 2012: bater o Gol. Todos na Hyundai falavam abertamente que o compacto havia sido projetado nos mínimos detalhes para desbancar o até então líder de vendas do mercado brasileiro. Aconteceu que o Gol não deu nem pro cheiro (hoje não está nem no Top 5 de vendas), e o HB20 acabou conquistando também uma parcela dos consumidores que estavam de olho nos compactos mais completos, como Ford Fiesta, Peugeot 208 e Citroën C3.

Por isso, na hora da primeira mudança do HB20, a Hyundai agiu em duas frentes. Manteve o 1.0 quase inalterado, para continuar brigando em preço, e trabalhou mais intensamente nas versões 1.6. O motor mais forte da gama ganhou sistema de aquecimento do etanol (aposentando o velho tanquinho de gasolina da partida a frio) e passou a ser acoplado a um câmbio de seis marchas, tanto na versão manual (que tinha cinco) quanto na automática (que tinha quatro). Fora isso, o modelo topo de linha Premium recebeu central multimídia com espelhamento de celular e Apple Car Play, ar-condicionado digital, airbags laterais e bancos de couro na cor marrom. A meta desta vez é a atacar a Ford. “Nossos clientes do HB20 mais caro sempre citam o Fiesta como opção de compra”, revela o gerente de produto da Hyundai Brasil, Rodolfo Stopa.

Então, além de avaliarmos se o HB20 melhorou em relação ao antigo, chamamos também o Fiesta para um encontro com o Hyundai. Para mantermos os valores e conteúdos parelhos, o Hyundai se apresentou na versão topo de linha Premium A/T, cotada a R$ 58.445, e o Ford na intermediária SE, com preço sugerido de R$ 59.590. Quem desejar os airbags laterais, bancos de couro e a central blue Media vai gastar R$ 63.535 no HB20. Já a Ford oferece o Fiesta Titanium, que inclui sete airbags, couro e partida por botão, mas ainda sem central multimídia, por R$ 66.490.

Partindo do desafiante coreano, o HB20 ficou mais agradável nesta mudança de meio de ciclo. A suspensão está mais silenciosa em nosso asfalto remendado e o câmbio de seis marchas se mostrou bem adequado ao motor 1.6, acabando com o “buraco” que havia entre as relações do antigo quatro marchas. As passagens continuam bastante suaves e agora há opção de mudanças manuais na própria alavanca, dando mais opções de controle ao condutor.

Conforme a Hyundai adiantou durante o lançamento do hatch renovado, a intenção das mudanças foi reduzir o consumo. Mesmo assim, ficou um gostinho de quero mais durante nossas medições, pois o HB20 de seis marchas não se revelou mais rápido que o de quatro velocidades na prova de aceleração – pelo contrário, no 0 a 100 km/h ele piorou de 10,9 s para 11,0 segundos. A única prova de desempenho em que houve melhora foi na retomada de 80 a 120 km/h, e mesmo assim muito tímida: 8,2 s contra 8,4 s de antes. Sinal de que pode ter havido mudanças na calibração do propulsor 1.6 16V, apesar de a Hyundai manter os declarados 128 cv de potência e 16,5 kgfm de torque com etanol.

Nas medições de consumo, ao contrário, a evolução foi notável: o novo HB20 obteve médias de 7,2 km/l na cidade e 11,9 km/l na estrada quando abastecido com etanol, contra apenas 6,5 km/l e 10,2 km/l do modelo anterior, respectivamente. Foi uma melhora até maior que a apresentada pela marca via dados do Inmetro, ajudada pela sexta marcha que deixa o giro baixo em velocidades de viagem.

O compacto da Hyundai está melhor, sem dúvidas, mas ainda não alcançou os números do Fiesta 1.6, seja em desempenho, seja em consumo. Também equipado com uma transmissão de seis marchas, o Ford se vale de um sistema de dupla embreagem que realiza trocas mais rápidas que um automático comum, além de não gastar energia com o conversor de torque. O lado negativo é que o Fiesta dá alguns trancos em determinadas situações, além de a caixa ter funcionamento mais barulhento. Ou seja, o Ford é melhor em rendimento, mas perde no conforto.

As saídas rápidas do Fiesta são comprovadas pelo seu tempo na aceleração de 0 a 100 km/h, prova na qual ele gastou 10,5 segundos, se saindo melhor que o rival e também que sua versão com câmbio manual de cinco marchas. Nas retomadas ele novamente foi mais eficaz que o Hyundai, se valendo do modo esportivo do câmbio Powershift, recurso não disponível no HB20 e que faz a transmissão esticar as marchas até quase o limite de giros do motor. Para fazer isso no HB20 é preciso usar o modo manual, com trocas na própria alavanca para frente e para trás. O Ford também oferece mudanças manuais, mas elas ficam em dois botõezinhos na lateral da alavanca de câmbio, o que desestimula seu uso. Além de fazer o Fiesta andar mais, seu câmbio também colabora no consumo: as médias do Ford foram de 7,5 km/l e 12,3 km/l, respectivamente, na cidade e na estrada.

Dirigir o Fiesta nos relembra que ainda não há compacto à altura em prazer de condução e comportamento dinâmico – quesitos no qual ele é referência mundial, mesmo tendo rivais mais modernos na Europa. Direção elétrica afiada, rápida e comunicativa, e uma suspensão muito bem calibrada deixam o hatch da Ford divertido numa estrada de montanha e ágil e confortável na cidade. O HB20, ainda com direção hidráulica (só ganhou sistema elétrico no aventureiro HB20X), tem assistência demais, sendo leve nas manobras e muito leve na estrada. A suspensão é mais voltada à maciez, sem igualar a tocada do Fiesta (inclina mais nas curvas e seus pneus “dobram” fácil) e tampouco sua absorção de impactos. A melhorar no Ford é o “bigode” debaixo do para-choque dianteiro que raspa em qualquer valeta ou saída de garagem, coisa que não acontece com o Hyundai. No HB20, por sua vez, ainda gostaríamos de vê-lo equipado com rodas aro 16″ como as que a Ford entrega no Fiesta Titanium.

Internamente, o HB20 fica melhor na foto: bem acabado e mais amplo, também revela montagem caprichada. No Ford é fácil encontrar plásticos de aparência e toque baratos, o que não combina com um compacto que não é exatamente o popular da marca – posto que cabe ao Ka. No Hyundai a única estranheza neste aspecto é a falta de revestimento nas portas traseiras, que contrasta com as dianteiras. Mas seu painel mistura plásticos de melhor aspecto e tato. No Fiesta a posição de dirigir permite mais ajustes, podendo ser bem baixa ou mais elevada, enquanto no HB o banco já é alto mesmo na regulagem inferior. E o assento muda apenas a inclinação, deixando a desejar. Atrás, os ocupantes do coreano viajam melhor, ainda que ele não seja nenhum exemplo de espaço interno. O Ford, porém, tem no espaço traseiro talvez o seu ponto mais fraco, com teto baixo e vão pequeno para as pernas. Em capacidade de porta-malas o Hyundai leva vantagem de 19 litros (300 contra 281 l).

Para igualar o Fiesta, o HB20 topo de linha recebeu ar digital e o câmbio de seis marchas, indo além na central multimídia e nos faróis e lanternas com LEDs. O Ford traz o sistema Sync de entretenimento, cujo destaque são os comandos por voz para fazer chamadas, mas já passou da hora de o hatch receber, ainda que opcional, a mesma central multimídia oferecida no Fiesta Sedan mexicano. Como itens exclusivos, o Fiesta tem o controle de estabilidade (ESP) e o assistente de partida em rampa.

A conclusão, então, é que o HB20 Premium se armou melhor para conquistar os clientes que ficam na dúvida entre ele e o Ford, se aproximando do Fiesta em desempenho e consumo. Mas ainda não oferece a mesma dirigibilidade do rival e fica devendo o ESP. Do outro lado, a marca do oval azul parece ter deixado Fiesta meio em banho-maria após a estreia do Ka, com as vendas do modelo caindo pela metade do começo do ano para cá. Nos dois casos, achamos que não serão muitos os consumidores dispostos a pagar mais de R$ 60 mil num hatch compacto, ainda que o Fiesta e agora o HB20 estejam entre os melhores da categoria.

Por Daniel Messeder
Fotos: autor e arquivo CARPLACE

Ficha técnica – Hyundai HB20 1.6 Premium

Motor: dianteiro, transversal, quatro cilindros, 16 válvulas, 1.591 cm3, comando duplo variável, flex; Potência: 122/ 128 cv a 6.000 rpm; Torque: 16,0/16,5 kgfm a 4.500 rpm; Transmissão: câmbio automático de seis marchas, tração dianteira; Direção:hidráulica; Suspensão: independente McPherson na dianteira e eixo de torção na traseira;Freios: discos ventilados na dianteira e tambores na traseira, com ABS; Rodas: aro 15″ com pneus 185/60 R15; Peso: N/D; Capacidades: porta-malas 300 litros, tanque 50 litros;Dimensões: comprimento 3,920 mm, largura 1,680 mm, altura 1,470 mm, entreeixos 2,500 mm

Medições CARPLACE

Aceleração
0 a 60 km/h: 4,9 s
0 a 80 km/h: 7,6 s
0 a 100 km/h: 11,0 s

Retomada
40 a 100 km/h em D: 9,0 s
80 a 120 km/h em D: 8,2 s

Frenagem
100 km/h a 0: 43,3 m
80 km/h a 0: 26,6 m
60 km/h a 0: 15,0 m

Consumo
Ciclo cidade: 7,2 km/l
Ciclo estrada: 11,9 km/l

Ficha técnica – Ford Fiesta 1.6 Powershift

Motor: dianteiro, transversal, quatro cilindros, 16 válvulas, 1.597 cm3, comando duplo variável, flex; Potência: 125/130 cv a 6.500 rpm; Torque: 15,4/16,0 kgfm a 5.000 rpm;Transmissão: câmbio automatizado de dupla embreagem e seis marchas, tração dianteira;Direção: elétrica; Suspensão: independente McPherson na dianteira e eixo de torção na traseira; Freios: discos na dianteira e tambores na traseira, com ABS; Rodas: aro 15″ com pneus 195/55 R15; Peso: 1.153 kg; Capacidades: porta-malas 281 litros, tanque 51 litros;Dimensões: comprimento 3.969 mm, largura 1.787 mm, altura 1.464 mm, entreeixos 2.489 mm

Medições CARPLACE

Aceleração
0 a 60 km/h: 4,9 s
0 a 80 km/h: 7,3 s
0 a 100 km/h: 10,5 s

Retomada
40 a 100 km/h em S: 7,8 s
80 a 120 km/h em S: 8,0 s

Frenagem
100 km/h a 0: 41,4 m
80 km/h a 0: 25,5 m
60 km/h a 0: 14,3 m

Consumo
Ciclo cidade: 7,5 km/l
Ciclo estrada: 12,3 km/l

Fonte: http://carplace.uol.com.br/teste-carplace-novo-hyundai-hb20-melhora-mas-ainda-nao-bate-o-fiesta/

Galeria

Nenhum comentário foi encontrado. Seja o primeiro a comentar!

Deixe seu Comentário


Barros Autopeças comemora 50 anos de existência

    A Barros Autopeças completa, neste ano, 50 anos de existência. Meio século de histórias, de expansão e muita tradição.     Para comemorar o marco, a…

leia mais...
Conectados 2019 - Confira a 3° edição do evento!

    Aconteceu no último dia 21 a 3ª edição do evento Conectados, que reuniu os 50 principais fornecedores da Barros Autopeças em comemoração aos 50 anos da empresa.    Além…

leia mais...
Pescaria Barros 2019
Pescaria Barros 2019
05 de novembro de 2019

    Em junho deste ano lançamos a “Pescaria 2019 - Vai Ter Briga Boa”, campanha da Barros que levou os 24 melhores clientes participantes para passarem cinco dias pescando no…

leia mais...
Outubro Rosa - Atenção com você!

    Chegamos a mais um mês de outubro e, como de praxe, a Barros se dedica a aderir à campanha do Outubro Rosa junto com outras milhares de instituições brasileiras. A campanha…

leia mais...
Comentários Recentes

Trabalhe Conosco

Com o seu talento e competência
como combustíveis, você vai ajudar
a guiar uma empresa sólida e
ambiente de trabalho profissional.
Faça parte da nossa equipe.

Eu quero

Quero ser Cliente

Venha ser um cliente Barros Autopeças
e ter a disposição um dos portfólios
de peças mais completos do país,
promoções exclusivas e uma equipe
pronta à ajudá-lo no que for preciso.

Eu quero
scroll up