> <

Conheça as peças e os defeitos do sistema de ignição do motor

É importante você entender como os principais sistemas de ignição funcionam, caprichar na manutenção preventiva e escolher bem a oficina. A matéria a seguir é uma reprodução do Blog da Nakata, link para matéria original e crédito estão no final do texto.

Entendendo os componentes

Nos carros atuais, o sistema de ignição costuma ser formado por esses elementos:

  • Chave (ou botão) de partida,

  • Módulo eletrônico (independente ou integrado com a injeção),

  • Bobina (única, com saída dupla ou uma para cada cilindro),

  • Cabos de velas (não usados nos modelos com bobinas diretas),

  • Velas.

Alguns itens da parte elétrica também são decisivos para tudo funcionar bem:

  • Alternador (inclusive o sistema de acionamento por correia),

  • Bateria,

  • Chicote elétrico (e seus conectores),

  • Fusíveis,

  • Sensores (muito usados nas versões mais sofisticadas).

Nos carros com carburador ou modelos clássicos ainda existem outras peças:

  • Dínamo (é uma versão mais “primitiva” do alternador),

  • Distribuidor (formado por vários elementos mecânicos e elétricos),

  • Platinado,

  • Condensador,

  • Resistor (encontrado em algumas bobinas antigas),

  • Regulador de voltagem,

  • Relês.

Encontre os defeitos no início

Como você notou, o sistema de ignição é bem complexo, seja num carro novo ou antigo. Qualquer peça com defeito pode alterar o seu funcionamento e, para piorar, é possível encontrar vários componentes com pequenas falhas ao mesmo tempo. O melhor é ficar atento aos primeiros sinais de problemas:

  • Dificuldade na partida,

  • Rotação oscilando,

  • Falhas na aceleração,

  • Trepidação no motor,

  • Ruídos estranhos (estouros ou a popular “grilada”),

  • Perda de potência,

  • Aumento do consumo.

Faça uma inspeção visual

Para manter o carro em ordem, o ideal é fazer uma checagem semanal completa. Ao abrir o capô do motor (além de conferir a água, o óleo e os fluidos), é importante ver o estado das correias e avaliar com cuidado os elementos dos sistemas de alimentação e ignição. Muitos defeitos são bastante comuns, fique atento:

  • Cabos de velas e fios do chicote ressecados ou trincados,

  • Componentes derretidos ou raspados (em contato com outras peças),

  • Conectores e supressores frouxos ou soltos,

  • Bobinas (e outras peças plásticas) trincadas ou coladas,

  • Sinais de curto-circuito ou oxidação.

Nos modelos mais antigos, é importante ter uma atenção especial com o distribuidor. Além de ser um conjunto complexo (engloba a tampa, rotor, platinado, condensador e os mecanismos de avanço), costuma ser um “foco de gambiarras”. Se você notar algo errado, procure um mecânico ou eletricista de confiança.

Outra dica para descobrir problemas no sistema de ignição é fazer um teste no escuro. Se for possível, desligue a luz da garagem, dê partida e deixe alguém mantendo uma aceleração média. Caso veja faíscas azuladas nas velas, cabos e bobinas ou escute pequenos estalos, visite uma oficina o quanto antes.

Cuidados com postos e peças

Em alguns casos, o dono do carro toma decisões erradas ou faz pequenas economias que acabam danificando a ignição. Uma situação comum é o uso de combustível adulterado. Suas impurezas estragam as velas em pouco tempo. Outro problema é usar produtos químicos fortes nas lavagens.

Quando o dinheiro está curto, a manutenção preventiva também é deixada de lado. Mas, com o motor rendendo menos e gastando mais, a conta chega igual: o que se poupa na oficina é gasto no posto. Instalar uma peça barata é mais um engano, pode quebrar logo em seguida e dar um grande prejuízo!

Escolha muito bem a oficina

Como o sistema de ignição chega a misturar componentes mecânicos, elétricos e eletrônicos, sua manutenção exige um conhecimento avançado, literatura técnica confiável, vários equipamentos de diagnóstico e, em muitos casos, até um trabalho conjunto do mecânico com o eletricista automotivo.

Na hora de escolher uma oficina, preste atenção na formação dos profissionais e na estrutura disponível. Hoje em dia, é preciso ter, pelo menos, o básico: uma pistola de ponto, multímetro, caneta de polaridade, osciloscópio, scanner e notebook. Sem esses recursos, é difícil achar a origem real dos defeitos.

Se você tem um modelo importado bastante raro, um carro de luxo, um esportivo ou um antigo clássico, redobre o cuidado. Poucos locais são capazes de fazer uma manutenção de qualidade no sistema de ignição desses veículos. Para não correr riscos, procure ter referências de amigos ou clubes.

Defeitos combinados e improvisos

Outro motivo para escolher uma oficina confiável é o nível de complicação que pode envolver os problemas de ignição. Muitos defeitos são intermitentes, outros parecem falhas de alimentação e, para piorar, em certos casos a origem pode estar bem longe, como no cabeçote, cárter, radiador ou catalisador.

Se você acabou de comprar um seminovo ou um antigo, também não estranhe se o mecânico ou o eletricista encontrar um monte de “gambiarras”. São comuns as trocas de apenas uma parte das velas ou cabos, os consertos com cola e massa, o uso de tiras de câmaras de ar ou a “reforma” do distribuidor com peças usadas.

Para rodar com tranquilidade e economia, além de seguir as indicações de manutenção do manual do proprietário, fale para a oficina instalar apenas os componentes indicados no catálogo do fabricante para o seu carro e nunca acredite em “receitas mágicas” para reduzir o consumo ou aumentar a potência.

É verdade que existem sistemas de ignição de alta performance, tanto nacionais quanto importados. Mas são produtos especiais, criados para motores preparados e que exigem profissionais especializados para fazer a instalação. Qualquer solução barata e improvisada é apenas dinheiro jogado fora.


Crédito/ matéria completa: https://blog.nakata.com.br/como-saber-se-defeito-e-vela-de-ignicao-ou-bobina/

Galeria

Nenhum comentário foi encontrado. Seja o primeiro a comentar!

Deixe seu Comentário


Cuidados com o carro no inverno
Cuidados com o carro no inverno
22 de junho de 2022

Cuidados com o carro no invernoO inverno está batendo em nossa porta! Essa mudança climática deixa muitas peças e componentes de seu veículo vulneráveis, principalmente quando a mudança é muito…

leia mais...
Diferença entre Correia Dentada e Corrente

Que a correia dentada e a corrente são utilizadas no motor do veículo, você já sabe. Mas você sabe a diferença entre essas peças? Correia dentada X CorrenteA correia dentada é responsável…

leia mais...
Tipos de Pastilhas do Mercado
Tipos de Pastilhas do Mercado
20 de maio de 2022

Tipos de pastilhas do mercadoPara ser um bom especialista no mercado automotivo, seja um vendedor ou mecânico, não basta apenas entender o que é determinada peça! Para prover um bom serviço para…

leia mais...
4 dicas para ter uma boa saúde financeira de seu negócio

A gestão da saúde financeira de um negócio é uma das coisas mais importantes para o seu progresso. Porém, a maioria das pessoas que possuem seu próprio negócio não entendem a importância de manter…

leia mais...
Comentários Recentes

Trabalhe Conosco

Com o seu talento e competência
como combustíveis, você vai ajudar
a guiar uma empresa sólida e
ambiente de trabalho profissional.
Faça parte da nossa equipe.

Eu quero

Quero ser Cliente

Venha ser um cliente Barros Autopeças
e ter a disposição um dos portfólios
de peças mais completos do país,
promoções exclusivas e uma equipe
pronta à ajudá-lo no que for preciso.

Eu quero
scroll up