> <

Sabó aproveita o bom momento das exportações

A Sabó está em comemoração, por dois motivos: está completando 75 anos e passa por um bom momento nas exportações. As vendas para mercados externos já são 40% do faturamento da empresa, igual ao da participação do aftermarket, e esse índices já são realidade há 2 anos. Em contrapartida o fornecimento para montadoras (OEM). Representa hoje 20% das vendas, reflexo da queda no mercado de veículos 0 km.

O diretor geral da Sabó para as Américas, Lourenço Oricchio, disse que "o equilíbrio sempre foi 33% para cada uma das atividades, mas esse desequilíbrio, com a queda do mercado original, é bom para a alta das exportações com o dólar neste patamar atual”.

A empresa que é especializada em retentores, juntas e sistemas integrados de vedação, possui uma fábrica em Mogi Mirim (SP) e outra na Argentina. A fábrica no interior do estado de São Paulo, tem capacidade de produzir 330 mil peças por dia e hoje opera com 180/dia em dois turnos. Segundo o diretor da Sabó, "no Brasil é difícil fazer gestão. O mercado mudou em 2013, quando foi de 3,8 milhões [vendas de veículos] para 2 milhões e até 2020 não vamos recuperar este volume. Neste caso, o que salva o Brasil são as exportações”.

Segundo o executivo o mercado chinês e norte americano são responsáveis por 95% das vendas externas, nesses locais o OEM tem maior peso. No aftermarket, a empresa pretende ter crescimento de 5%, mas ainda com os mesmos 40% de participação.

Em tecnologia e processo produtivo, a Sabó pretende investir R$ 20 milhões nos próximos três anos no Brasil. A empresa está desenvolvendo uma placa para células de combustível, mas por enquanto, para motores estacionários. Oricchio lembra: "Em 2030, o mundo terá 20% de veículos elétricos e que já são uma realidade hoje”.

Em processo, a Sabó renovou em 2016 parte da linha de produção da fábrica em Mogi Mirim, seguindo a tendência da Indústria 4.0, deixando-a totalmente automatizada, conectada e com dados de produção em tempo real.

“Em um dos processos, haviam nove funcionários e hoje há apenas um, que monitora os robôs, que carregam e descarregam a linha com precisão e tempo estipulado. Com o monitoramento via computador, consigo saber o quanto está sendo produzido em tempo real e o quanto vai ser produzido no dia de hoje", finaliza Oricchio.

 Fonte: Automotive Business

Galeria

Nenhum comentário foi encontrado. Seja o primeiro a comentar!

Deixe seu Comentário


Mulheres na ciência e suas contribuições para o setor automotivo

    Desde 2015, as Nações Unidas (ONU) estabeleceu o dia 11 de fevereiro como o Dia Internacional de Mulheres e Meninas na Ciência.    Entre os objetivos desse…

leia mais...
Você sabe como cuidar do motor?
Você sabe como cuidar do motor?
10 de fevereiro de 2020

    O motor é o principal componente dos automóveis. Sem ele nada funciona. Por isso é fundamental estar sempre atento aos principais cuidados que podemos ter com ele.    Além…

leia mais...
Segurança e qualidade com as pastilhas de freio

    A Barros está sempre se desenvolvendo para encontrar a melhor forma de oferecer serviços e produtos de qualidade que tenham foco na segurança e bem-estar dos clientes.    Desde…

leia mais...
Barros Autopeças comemora 50 anos de existência

    A Barros Autopeças completa, neste ano, 50 anos de existência. Meio século de histórias, de expansão e muita tradição.     Para comemorar o marco, a…

leia mais...
Comentários Recentes

Trabalhe Conosco

Com o seu talento e competência
como combustíveis, você vai ajudar
a guiar uma empresa sólida e
ambiente de trabalho profissional.
Faça parte da nossa equipe.

Eu quero

Quero ser Cliente

Venha ser um cliente Barros Autopeças
e ter a disposição um dos portfólios
de peças mais completos do país,
promoções exclusivas e uma equipe
pronta à ajudá-lo no que for preciso.

Eu quero
scroll up